HGIS treina profissionais de Juquitiba para inserção de DIU

Cumprindo com seu compromisso com a população, o HGIS realizou um treinamento para profissionais da assistência básica de saúde na cidade de Juquitiba. O hospital é referência para o município, assim como para Itapecerica da Serra, São Lourenço da Serra e Embu-Guaçu.

O treinamento de inserção de dispositivo intrauterino (DIU) foi uma solicitação das próprias unidades de saúde de Juquitiba. A equipe de Ginecologia e Obstetrícia do hospital se deslocou até Juquitiba, para treinar profissionais das unidades de saúde do Centro, de Barnabés e do Jardim das Palmeiras.

“A capacitação de profissionais de saúde da atenção básica permite trazer a contracepção de longa duração de forma muito ágil para as mulheres, evitando-se a gravidez indesejada em uma lista de espera que pode se prolongar”, explica o médico chefe do Centro de Parto Normal Dr. Rômulo Negrini. “Estes profissionais foram capacitados não apenas para colocação do DIU, mas para diagnosticar e resolver possíveis complicações”, relata.

 

Foram realizadas aulas teóricas e práticas, em um total de 4h. A equipe se dividiu entre as três unidades, apoiando atendimentos reais feitos pelos profissionais recém-capacitados. Quase 40 pacientes que já fazem acompanhamento ginecológico nessas UBS fizeram a inserção de DIU na ocasião. 

O DIU é um dos métodos contraceptivos disponíveis gratuitamente no Brasil, através do SUS. O método tem eficácia superior a 99%.

“Muitas vezes a população só tem acesso à laqueadura, que é um método praticamente irreversível e cirúrgico de contracepção, com todas as complicações que se associam às cirurgias. O DIU de cobre, usado neste caso, é totalmente reversível, a qualquer momento, além de ser fácil de colocar, com duração de até 10 anos”, pontua Negrini.

Profissionais recebem treinamento de emergências obstétricas

Os profissionais da assistência do HGIS receberam um treinamento para emergências obstétricas. O curso foi liderado pelos ginecologistas Dr. Rômulo Negrini e Dr.ª Raquel Ferreira e serviu como base para alinhar condutas, integrando ainda mais a equipe de médicos e enfermeiras da Ginecologia e Obstetrícia com foco na melhoria contínua da qualidade e segurança da assistência.

“A equipe é muito grande, então quando a discutimos juntos conseguimos alinhar nossos conhecimentos”, aponta a supervisora do Centro de Parto Normal, Elaine Monticelli. 

Foram montados três cenários práticos para a realização do treinamento: um focado em hemorragia pós-parto, um com foco em distócia de ombro e outro em pré-eclâmpsia. Depois dessas estações práticas, os participantes receberam uma aula teórica, finalizando com mais uma prática de vitalidade fetal. Foram mais de 5h de curso no total, realizada no Auditório Mario Covas.

Participaram do treinamento nove médicos ginecologistas, cinco enfermeiras obstetras e cinco médicos residentes de Ginecologia e Obstetrícia. A médica residente Dr.ª Mariana Coelho aprovou a aula. “As simulações foram excelentes, pois assim conseguimos realizar manobras e condutas que nos auxiliará para quando vivenciarmos tais situações na prática do dia a dia”, explica.

“A assistência vai ficar mais segura e quem ganha com isso é o paciente, sempre”, finaliza Monticelli.

Gestores começam novo módulo de curso de gestão de risco

Os gestores do HGIS iniciaram na última quinta-feira (12) o segundo módulo do treinamento de gestão de risco. A aula aconteceu no Auditório Mario Covas.

A segunda parte do curso recebeu o nome de “Investigação de incidentes relacionados à assistência à saúde”, ministrado pela infectologista Dr.ª Adélia Marçal. Ainda acontecerão mais duas aulas, agendadas para as próximas semanas.

Gestores treinam olhar apurado de dados para a tomada de decisão

Os gestores das áreas assistenciais do HGIS começaram um curso promovido pelo hospital para treinar um olhar mais apurado à questão da qualidade, com foco na análise de dados. A primeira aula aconteceu na quinta-feira (13) e foi ministrada pelo gerente médico do Hospital Regional de Cotia, Dr. André Giannetti.

Sob o tema “Como produzir informações para a tomada de decisão”, os participantes foram introduzidos ao processo de criação e avaliação de dados, para melhorar indicadores. Giannetti provocou seus alunos perguntando a eles como seria possível medir a qualidade, levando-os a refletir sobre questões como desempenho e atendimento. E para isso, é preciso analisar todo o processo envolvido, pois “O processo só tem sentido se agregar valor ao paciente”, apontou o gerente durante a aula. Além disso, ele ressaltou a importância de uma análise de dados consistente: é a partir dela que o gestor se torna capaz de fazer uma leitura mais profunda dos números e somente assim passa a ser capaz de propor ações para mudar um cenário.

O treinamento visou instrumentalizar os gestores do hospital para que sejam capazes de analisar dados, independentemente de seus perfis ou do evento ocorrido. Por estarem mais próximos aos pacientes e à própria equipe assistencial, eles tem melhor capacidade de pensar em ações assertivas.

O curso reforçou também um objetivo estratégico do HGIS em ser uma instituição de alta confiabilidade, conforme o novo ciclo do Planejamento Estratégico. Ele terá ainda mais um módulo, com três aulas, que serão ministradas pela infectologista e consultora do Comitê Corporativo de Segurança Assistencial, Dr.ª Adélia Marçal. Nelas, os gestores aprenderão analisar incidentes e causas-raízes sob uma nova perspectiva.

Enfermeiros recebem treinamento de coleta de hemocultura

O HGIS promoveu, na última quinta-feira (6), um treinamento aos enfermeiros sobre coleta de hemocultura. A aula foi conduzida pela microbiologista Fabiana Puerro de Carvalho, do laboratório do hospital, que trouxe diversos apontamentos.

Ela também instrui os profissionais a manterem o código de barras livre, com topografia e nome do enfermeiro indicados na etiqueta. Ainda ressaltou que os enfermeiros precisam identificar o que foi coletado em todas as vezes, especialmente em culturas de vigilâncias.

A microbiologista considera de muita importância o hospital continuar promovendo treinamentos desse tipo. “Lá no laboratório, a gente quer passar uma cultura verdadeira, então precisamos da colaboração de todos. Assim, nós teremos mais agilidade no resultado e vamos conseguir tratar o paciente o mais rápido possível”, afirmou Carvalho.