Mirando eficiência, HGIS revisa prescrições médicas no Pronto Atendimento

O HGIS fez uma mudança no prontuário eletrônico -TASY nas sugestões de prescrição de medicamentos do setor Pronto Atendimento. Aplicando o método lean e visando aumentar a eficiência, o hospital alterou esse “cardápio”, dando preferência para medicamentos por via oral e intramuscular.

No último ano, o HGIS viu crescer o número de pacientes que deram entrada no hospital, chegando a uma média mensal de quase 15 mil pessoas atendidas, por isso, foi de extrema importância para a instituição pensar em uma forma de reduzir o tempo de permanência no PA, sem jamais perder a qualidade.

“Percebemos que havia uma alta demanda para medicação endovenosa, fazendo com que o atendimento passasse de 1h de duração apenas na sala de medicação. Após reunião de revisão da rotina de prescrição no PA com gestores e integrantes do corpo clínico, reformulamos o cardápio, mantendo o muitas vezes o mesmo medicamento, mas mudando a via de administração e vimos esse tempo diminuir”, explica a coordenadora de Práticas Médicas, Dr.ª Lucy Nagm.

Já nos primeiros 20 dias de implantação do projeto, houve uma queda de 33% na prescrição e administração de medicamentos endovenosos. Foi observada a substituição desses medicamentos por equivalentes que poderiam ser administrados via oral ou intramuscular. Por conta do tempo necessário para a aplicação de soro, após a troca da via desses medicamentos, gerou uma redução na fila de espera da recepção do Pronto Atendimento, na espera na sala de medicação e um retorno mais rápido para reavaliação médica, tendo um impacto global na redução do tempo de permanência do paciente no PA . 

“Isso otimiza o tempo da enfermagem e economiza insumos, sem perder a qualidade ou segurança no atendimento, algo que nos é tão caro”, diz Nagm. Essa redução é sentida, inclusive, pela própria equipe assistencial.

“É muito visível a diferença: se antes era comum que os pacientes levassem mais de 1h tomando 100 ml de medicação endovenosa, agora a gente finaliza o atendimento em poucos minutos. Isso melhora inclusive nossa dinâmica de trabalho, nos permitindo prestar um atendimento de qualidade”, declara a enfermeira do Pronto Atendimento, Michele Maya.