Enfermagem comemora 200 anos de Florence Nightingale

Se hoje em dia os hospitais são reconhecidos como locais seguros para o tratamento de enfermos, muito disso se deve a Florence Nightingale. Há dois séculos, o risco de infecção era tão alto que os ricos preferiam tratar-se em casa e somente pobres eram internados.

“Antes vista como caridade, Florence mudou a cara da enfermagem. Durante a guerra da Criméia, ela percebeu que os pacientes estavam morrendo por infecção cruzada. Para acabar com isso, institui o protocolo de lavagens das mãos e, com isso, veio então o profissionalismo da classe”, explica a enfermeira Ana Paula Dias, do Bloco IV.

Tal percepção partiu de um estudo estatístico feito pela própria Florence, relacionando a alta mortalidade dos soldados com as péssimas condições de saneamento. Sua atuação na guerra foi reconhecida e ela recebeu uma importante condecoração da rainha Vitória, da Inglaterra.

“A importância de lavar as mãos, algo frequentemente citado hoje nesse cenário de pandemia, é algo que vem desde a Florence. Ela já teve essa noção lá atrás e é importante toda a população esteja percebendo isso também”, aponta a enfermeira Bianca Marques, da Pediatria. “Ela também viu o quanto é importante ter um ambiente solar no hospital, com o ar circulando. Isso é algo que é aplicado até hoje”, acrescenta.

Alguns anos após voltar da guerra, Florence criou a primeira escola de enfermagem desvinculada da igreja, no Hospital St. Thomas, em Londres. Ela também reuniu toda suas experiências e observações no livro “Notas sobre enfermagem: o que é e o que não é”, lançado em 1859.

* Foto de capa: Florence Nightingale, an angel of mercy. Scutari hospital (1855)

Florence Nightingale, a influenciadora de uma geração

Há exatos dois séculos nascia Florence Nightingale, considerada a “mãe” da enfermagem moderna. Na época em que viveu, ficou conhecida como “A Dama da Lâmpada”, pois percorria as enfermarias com uma lanterna na mão.

Nightingale nasceu em Florença, na Itália, mas era filha de ingleses. O desejo de cuidar dos enfermos despertou após uma viagem ao Egito. Contudo, por pertencer a uma família milionária e de costumes tradicionais, esperava-se que ela se casasse e tivesse filhos. Seus pais não viam com bons olhos essa escolha: até então, o papel da enfermeira era exercido por mulheres que estavam ajudando em outras tarefas no hospital e consideradas de categoria inferior.

Sua contribuição mais famosa foi durante a Guerra da Crimeia, no sul da Rússia, quando ela partiu com uma equipe de 38 enfermeiras voluntárias – treinadas por ela mesma – para ajudar a tratar os feridos. Voltou reconhecida como heroína nacional.

Mais perto do fim, se tornou a primeira mulher a receber a Ordem do Mérito, condecoração concedida para pessoas que prestaram serviços extraordinários. Morreu em agosto de 1910.

O impacto de seu trabalho ao longo da vida é de extrema importância, no mundo todo. Na próxima semana falaremos sobre a influência de Florence Nightingale na saúde atual.

1ª Práticas de Enfermagem de 2020 é conduzida por UTI Adulto

A primeira reunião de Práticas de Enfermagem de 2020 foi realizada no dia 28 de fevereiro, no Auditório Mario Covas. O encontro faz parte do calendário de eventos da instituição.

O tema da vez foi “Redução de Infecção Primária da Corrente Sanguínea – UTI Adulto”. A enfermeira Ana Kelly Cunha, supervisora da UTI Adulto do HGIS, foi a responsável pela apresentação.

Líderes do Cuidado agirão para garantir excelência

Uma das metas do HGIS dentro do novo ciclo do Planejamento Estratégico é a excelência operacional. Uma das estratégias para atingir essa melhora está no Plano de Cuidado, elaborado com o objetivo de integrar e expressar as atividades planejadas para o atendimento assistencial com metas determinadas que sejam específicas, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e com prazo determinado (SMART).

Por conta disso, o hospital promoveu uma oficina na última quinta-feira (23), em que profissionais da Enfermagem realizaram uma reflexão sobre a importância de realizar um atendimento centrado no paciente.

O encontro foi conduzido pela gerente de Enfermagem, Fernanda Dei Svaldi, que destrinchou as metas do novo ciclo no Planejamento Estratégico com os participantes e, a partir dele, os pontos principais do Plano de Cuidado. São eles:

  • Direcionar a assistência;
  • Acolhimento;
  • Respeito;
  • Individualidade;
  • Humanização;
  • Prevenir desvios.
  •  

“A gente sabe que quando o Plano de Cuidado é bem aplicado, a assistência ao paciente melhora e, com isso, o resultado de alguns indicadores também evolui – como média de permanência e tempo de liberação de alta”, explica Svaldi.

Os pontos desse plano caminham lado a lado com o Planejamento Estratégico, que tem como um dos macro-objetivos a excelência operacional. “O objetivo do projeto é garantir que o enfermeiro use sua autonomia para coordenar todas as equipes no cumprimento do Plano de Cuidado. Ou seja, não deixar atrasar as avaliações da equipe multi e a liberação de exames, para que as coisas ocorram sempre dentro do tempo adequado para o paciente”, aponta a gerente.

Os gestores de cada área indicaram 20 nomes da equipe de enfermagem para participar do treinamento, com o objetivo de somar esforços para agilizar o Plano de Cuidado e aumentar a eficiência do processo dentro da equipe.

A enfermeira da Pediatria, Bianca Marques, já dá o exemplo há muito tempo. “Tem várias crianças aqui que precisam de transporte na ocasião da alta, por exemplo, então a gente faz o agendamento quando está próximo da data da alta”, explica. “E já avisamos também às mães para deixarem tudo organizado: documentação, roupa e transporte”.

“A ideia é que o enfermeiro já saiba o que fazer na alta do paciente assim que ele dá entrada na unidade”, reforça Svaldi.

Enfermeiros recebem treinamento de coleta de hemocultura

O HGIS promoveu, na última quinta-feira (6), um treinamento aos enfermeiros sobre coleta de hemocultura. A aula foi conduzida pela microbiologista Fabiana Puerro de Carvalho, do laboratório do hospital, que trouxe diversos apontamentos.

Ela também instrui os profissionais a manterem o código de barras livre, com topografia e nome do enfermeiro indicados na etiqueta. Ainda ressaltou que os enfermeiros precisam identificar o que foi coletado em todas as vezes, especialmente em culturas de vigilâncias.

A microbiologista considera de muita importância o hospital continuar promovendo treinamentos desse tipo. “Lá no laboratório, a gente quer passar uma cultura verdadeira, então precisamos da colaboração de todos. Assim, nós teremos mais agilidade no resultado e vamos conseguir tratar o paciente o mais rápido possível”, afirmou Carvalho.

Evento marca posse da Comissão Ética de Enfermagem

Profissionais da Enfermagem eleitas para a Comissão de Ética da categoria participaram de uma solenidade no dia 29 de janeiro, na sede do Coren-SP. Elas foram acompanhadas da gerente de Enfermagem, Fernanda Dei Svaldi Pamplona.

“A comissão não existe para punir, mas sim para orientar os colaboradores a reduzir os erros e tornar os métodos mais seguros”, explica a auxiliar de enfermagem do Centro de Parto Normal, Kesia Karen Santos.

Essa é a primeira vez que ela participa da comissão. “Fiquei muito surpresa quando soube que tinha sido eleita, me senti lisonjeada pelos meus colegas de trabalho terem acreditado em mim”, diz.

Para a enfermeira da Neonatologia Luana Inhaia Ritzel, os encontros serão momentos de aprendizado. “A gente traz casos reais do HGIS para estudar, a partir de notificações que recebemos dos setores. Por isso, tenho expectativas de adquirir muito conhecimento”, afirma.

A Comissão de Ética de Enfermagem tem sete funções definidas:

  • Educativa
  • Consultiva
  • Conciliadora
  • Orientação
  • Vigilância
  • Avaliação
  • Encaminhamento

 

A atual comissão foi eleita para atuar por um período de três anos. Os integrantes podem receber demandas de toda a equipe do hospital. Os nomes eleitos para o ciclo 2020-2023 são:

  • Enf. Manoel Etelvino Miranda Costa – Presidente;
  • Enf. Joyce Gralhoz – Secretária
  • Enf. Maria dos Remédios Araujo da Silva – 3º membro efetivo
  • Enf. Debora Cristina Barbosa Neves – 4º membro efetivo
  • Enf. Elaine Cristina Monticelli da Silva – 5º membro efetivo
  • Enf. Luana Inhaia Ritzel – 6º membro efetivo
  • AE Kesia Karen Silva Santos – 7º membro efetivo
  • TE Francisco Itamar Chaves Queiroz – 8º membro efetivo
  • TE Franciele Figueiredo Ramos – 9º membro efetivo
  • TE Alexsandra Rodrigues Flora – 10º membro efetivo
  • TE Jessica Pereira – 11º membro efetivo